NOTA INTRODUTÓRIA AO FLORILÉGIO EPISTOLAR

 

 

O gênero epistolar permite a seu autor liberar-se da formalidade acadêmica, científica ou literária para poder expressar-se de forma direta, espontânea, íntima e, neste caso, sumamente instrutiva para seus destinatários, neste caso, os irmãos Emmanuel e Charles d’Hooghvorst.

 

Estas cartas foram escritas paralelamente à segunda parte d’ “A Mensagem Reencontrada” (livros XIII a XXXX) e contém comentários de certos versículos e ensinamentos valiosos sobre esta obra única.

 

Mais adiante, Louis Cattiaux aproveitou todas as ocasiões para instruir a seus correspondentes sobre os mistérios da regeneração do homem, e o fazia com uma linguagem clara, íntima, deixando escritas verdades destinadas unicamente a eles e não para serem impressas e divulgadas.

 

No entanto, uma parte significativa de suas cartas foi publicada a partir de 1980, primeiramente em francês e depois em espanhol[1].

 

Apresentamos, a seguir (vê-se em CARTAS – Florilégio Epistolar, neste site), fragmentos destas cartas que certamente serão de grande utilidade aos leitores, e em particular aos buscadores de Deus.



[1] Na revista belga Le Fil d’Ariane, na revista coleção LA PUERTA, retorno a las fuentes tradicionales, e posteriormente agrupadas em um volume: Florilegio Epistolar, Arola Editors, Tarragona (E), 1999.